Mesmo sem te conhecer, ouso dizer que você mudou seus hábitos de consumo dos últimos 5-10 anos. Pode ser que você tenha ficado mais preocupada com o impacto ambiental daquilo que compra. Pode ser, também, que tenha decidido investir um pouco mais em produtos que não agridem a sua saúde. Ou ainda, que tenha decido não mais comprar de uma determinada marca que parece associada a práticas com as quais você não concorda.

Este processo de conscientização sobre o impacto das nossas decisões de compra, seja para o meio ambiente, para a saúde e/ou para a sociedade, é chamado de consumo consciente.

Nossa decisão de compra passa a ser feita conscientemente, levando em consideração questões como: Esse item foi produzido de acordo com meus valores? Estou apoiando a economia local? As pessoas que produzem este item são tratadas e remuneradas de forma justa? Esse item foi criado para durar? Qual impacto este produto (incluindo sua embalagem) terá no meio-ambiente quando for descartado?

O mercado cosmético não foge desta tendência de ganho de consciência. No mundo da beleza e dos cuidados pessoais assistimos a várias mudanças, entre elas:

Beleza Real:

Estamos migrando progressivamente da busca da beleza segundo um padrão estabelecido, para a beleza real. Ou seja, buscamos hoje produtos e hábitos cosméticos que enalteçam a nossa própria estética, segundo nosso tipo de pele e cabelo, em detrimento de produtos que tornem nosso cabelo ou nossa pele de uma determinada maneira. Prova disso é o aumento do número de mulheres que decidiram não mais tingir seus cabelos e a revolução (nem tão) silenciosa das cacheadas e crespas em seu movimento de “transição capilar”.

Beleza como bem-estar:

Além de estarmos nos distanciando da ditadura dos padrões estabelecidos de beleza, temos entendido os cuidados pessoais como ferramenta de bem-estar. As empresas de cosmético apostam em linhas de “spa em casa”, investem em fragrâncias que nos façam sentir ora energizados, ora relaxados, respondendo a nossa demanda por um momento individual de relaxamento e autocuidado.

Cosméticos seguros:

Movimento que começou com os alimentos e migrou para os cuidados pessoais, refere-se ao apelo do público por produtos menos nocivos, com composições menos sintéticas, e livre de compostos controversos como silicone, parabenos, sulfatos, etc. Em resposta a este movimento, empresas como a Tero, apostam na oferta de produtos verdes, com formulações baseadas em compostos de origem natural, no nosso caso, orgânicos certificados.

Bem-estar do planeta:

O impacto do conteúdo dos cosméticos, assim como de suas embalagens, no meio-ambiente é um fator que tem ganhado relevância entre os consumidores. Nesta linha, além de formulações baseadas em ingredientes de origem natural e biodegradáveis, a preocupação com a redução das embalagens, o material que as compoem, e o destino dado a elas têm ganhado destaque. Selos como da empresa EuReciclo (parceira da Tero), que realizam a compensação ambiental de embalagens, têm ajudado os consumidores a selecionar produtos mais sustentáveis.

Nós aqui na Tero entendemos que, para além de oferecer produtos cosméticos alinhados a esta nova forma de consumir, devemos contribuir com conteúdo farmacêutico.

Da mesma forma que uma nutricionista nos ajuda a entender a diferença entre gorduras saturadas e insaturadas e como escolher alimentos mais saudáveis, acreditamos que, como farmacêuticas, devemos:

  1. Ajudar na interpretação, mesmo que superficial, dos rótulos dos cosméticos, tornando possível a identificação dos compostos mais relevantes.
  2. Compartilhar conteúdo científico que indique impactos de compostos/ingredientes na saúde humana e no meio-ambiente.
  3. Trazer alguma familiaridade com as principais classes de compostos que entram na composição de cosméticos.
  4. Auxiliar na escolha dos melhores produtos para cada tipo de pele e cabelo (com base nas composições de cada produto e nas características dos tipos de pele e cabelo).
  5. Trazer opções caseiras para produtos de uso corriqueiro, para aumentar a intimidade de nossos clientes com os ingredientes cosméticos, dando-lhes mais liberdade e autonomia, e alternativas para momentos em que a compra de um produto natural ou orgânico certificado não seja possível (seja por indisponibilidade do produto ou questões financeiras).

Temos chamado este conjunto de buscas e práticas de cosmética consciente. Seja pelo aumento da consciência dos consumidores em relação aos cosméticos, seja por oferecer produtos que atendam às demandas deste público consciente, queremos contribuir com este movimento. Essa é a razão de ser da nossa empresa e o nosso sobrenome. Esperamos ter você conosco. Vamos?